terça-feira, 31 de maio de 2016

[Resenha 53] Sejamos todos Feministas - Chimamanda Ngozi Adichie

*** Desafio de leitura do Skoob - Maio: Autores africanos ***


Editora Companhia das Letras
63 pgs
Formato Livro de Bolso


Sinopse: Chimamanda Ngozi Adichie ainda se lembra exatamente do dia em que a chamaram de feminista pela primeira vez. Foi durante uma discussão com seu amigo de infância Okoloma. “Não era um elogio. Percebi pelo tom da voz dele; era como se dissesse: ‘Você apoia o terrorismo!’”. Apesar do tom de desaprovação de Okoloma, Adichie abraçou o termo e começou a se intitular uma “feminista feliz e africana que não odeia homens, e que gosta de usar batom e salto alto para si mesma, e não para os homens”. Sejamos todos feministas é uma adaptação do discurso feito pela autora no TEDx Euston, que conta com mais de 1,5 milhão de visualizações e foi musicado por Beyoncé.


Link para assistir a palestra We Should All Be Feminists. O vídeo tem legendas em português e dura aproximadamente 30 minutos.

Opinião:
Este livro é a reprodução escrita da palestra da autora nigeriana/americana Chimamanda Ngozi Adichie para o projeto TEDx. 

TED é uma organização sem fins lucrativos que promove palestras curtas sobre Tecnologia, Entretenimento e Design (Era assim inicialmente, mas depois ampliou para todos tipos de assuntos). TEDx é um ramo deste grupo que organiza eventos em comunidades menores e a autora menciona que o irmão dela é o organizador de um destes TEDx, o TEDxEuston.

Achei interessante, porém não me pareceu tão genial quanto eu esperava. Falavam tanto dessa autora e dessa palestra que imaginava que fosse bem mais "escancarado" ou agressivo do que realmente senti. 

A vantagem e desvantagem do livro é que ele não se aprofunda em nada. Como fala da experiência da autora, e veio de uma palestra curta, ela apresenta apenas uma introdução ao assunto.

A grande coisa que Chimamanda fez foi extravazar os sentimentos de muitas mulheres da atualidade em relação ao machismo. Esperava que ela mencionasse mais da sua experiência feminista não somente como uma mulher mas como africana e negra também e ela o fez, mas muito superficialmente. 

Como podem perceber, não tenho uma opinião bem formada sobre a experiência de ler este livro. O fiz sem ter visto o video da palestra e, admito, sem saber muito sobre a origem do feminismo ou das principais ícones deste movimento. 

Acho que se a intenção dela era acordar as pessoas para um problema da atualidade, ela conseguiu. Se a intenção dela era fazer pessoas buscarem informação sobre o assunto, ela conseguiu, pois desenvolvi interesse em saber mais sobre isso. 

Se a intenção era sacudir mulheres para o comportamento da sociedade para com elas, a palestra curta dela consegue isso. Não me mostrou muito mais do que eu já sabia sobre o problema, mas definitivamente colocou em mim uma chama que brilhará em alerta cada vez que eu perceber a minha volta atos machistas.

Ao final do livro, a pequena edição traz uma mini-mini-biografia da autora, dizendo que ela nasceu na Nigéria em 1977 e que vive entre Nigéria e Estados Unidos. Também traz algumas informações sobre outras obras da autora: "Hibisco Roxo", "Meio Sol Amarelo" e "Americanah" (que teve os direitos cinematográficos vendidos para Lupita Nyong'o, vencedora do Oscar de melhor atriz por "Doze Anos de Escravidão"). 

Recomendaria?? Sim, para todo mundo, principalmente para adolescentes e jovens, mas para qualquer pessoa que possa estar interessada no assunto. 

Releria?? Provavelmente sim, mas não tenho planos de reler agora. Possuo outro livro da autora "Hibisco Roxo" (minha mãe está lendo), mas me interesso mais por "Americanah" que pretendo ler em breve.